Instituto Lado a Lado participa de campanha de conscientização sobre a insuficiência cardíaca

Instituto Lado a Lado participa de campanha de conscientização sobre a insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca - também chamada de doença do coração fraco - é considerada a via final decorrente de diversos problemas no coração, como o ataque cardíaco, cardiopatia, doença valvular cardíaca, hipertensão arterial. A doença afeta mais de 26 milhões de pessoas no mundo e esse número vem crescendo. Estima-se que 1 em cada 5 pessoas com mais de 40 anos vão desenvolver IC durante a vida. 6 de maio é o dia da Insuficiência Cardíaca na Europa e nos Estados Unidos.

A enfermidade é caracterizada pela incapacidade do coração de bombear adequadamente o sangue para o resto do corpo, comprometendo o funcionamento do organismo. Para suprir essa necessidade, o coração começa a se esforçar e a trabalhar cada vez mais, podendo levar a dilatação do coração, piorando ainda mais o funcionamento cardíaco.

Os sintomas iniciais da IC são muitas vezes sutis. Além disso, ela possui evolução lenta e pode levar décadas para alcançar o estágio mais grave. Por isso, os cardiologistas ressaltam a importância do diagnóstico precoce, em uma fase em que o tratamento adequado pode recuperar a função do coração. "Para obtermos sucesso no tratamento, é fundamental cortar os elementos de agressão. Ajustar o estilo de vida é preponderante, quando falamos em combate à insuficiência cardíaca", explica Dra. Ariane Macedo, cardiologista e membro do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Com isso em mente, o Instituto Lado a Lado pela Vida se une com The Global Heart Hub e outras 20 organizações em 15 países para reforçar a importância do diagnóstico precoce e sintomas da insuficiência cardíaca. A partir do dia 10 de maio e nas três subsequentes sextas-feiras, as organizações envolvidas vão levantar a bandeira vermelha e publicar em suas redes sociais conteúdo sobre os sinais e sintomas da doença, usando a hashtag #raisetheflag.

Os fatores de risco e os sintomas da insuficiência cardíaca são desconhecidos em todo o mundo. No Brasil, uma pesquisa feita pelo Ipsos a pedido da Novartis mostrou que cerca de 62% da população desconhece a enfermidade. "Trata-se de uma doença séria com origem em diversas causas, sendo as principais delas o infarto e a  pressão alta. Pelo fato dos pacientes não a reconhecerem como uma doença crônica e hesitarem em aderir ao tratamento, ela causa morte súbita ou progressiva pela evolução da doença. Porém, com o poder do compartilhamento de informação e um diagnóstico prematuro é possível reverter e melhorar a qualidade de vida dos pacientes", afirma Marlene Oliveira, presidente e fundadora do LAL.

Os sintomas da Insuficiência Cardíaca são: tosse/chiado no peito; cansaço extremo ou falta de energia; perda de apetite; maior necessidade de ir ao banheiro, principalmente à noite; batimento cardíaco rápido ou palpitações; falta de ar, mesmo quando deitado; inchaço nos tornozelos, pés e estômago; ganho de peso em um curto período de tempo (mais de 2Kg em 2 dias).

Qualquer um desses sintomas isoladamente pode não ser motivo de alarme. Mas se você tiver um ou mais, mesmo que não tenha sido diagnosticado com problemas cardíacos, você deve visitar seu médico e levantar a questão "Será que eu tenho insuficiência cardíaca?".

No Brasil, o número de indivíduos que morrem de insuficiência quando chegam ao hospital é duas vezes mais alto do que nos Estados Unidos e três vezes mais elevado em relação à Europa. "Infelizmente é frequente que o paciente só chegue ao médico quando o problema já está avançado o que reduz as chances de sucesso do tratamento", afirma Dra. Ariane. Ela completa que, com o envelhecimento da população, nos próximos 15 anos, haverá mais 2 milhões de brasileiros com insuficiência cardíaca, uma vez que  a idade é um fator de risco para a doença.

Leia também:

Falta de informação ainda é obstáculo para prevenção e diagnóstico precoce da Insuficiência Cardíaca

 

Folha de S.Paulo dedica caderno especial à insuficiência cardíaca