Coronavírus: Como fica a vida sexual durante a pandemia?

Coronavírus: Como fica a vida sexual durante a pandemia?
Novo coronavírus pode ser transmitido pela saliva, mas não há ainda evidências científicas que pode ser pelo sêmen ou pela secreção vaginal?
Matéria publicada em 30.03.2020

Bia Rodrigues, Redação LAL - A pandemia de coronavírus também afeta a vida sexual, afinal contatos físicos, como beijos e abraços, não são recomendados, porque podem transmitir o vírus. Até o momento, não há evidências científicas que demonstrem que o novo coronavírus (Sars-CoV-2) pode ser transmitido pelo sêmen ou pela secreção vaginal. O que se sabe é que outros coronavírus, de um modo geral, não são transmissíveis por vias sexuais.

Leia também
Coronavírus: como manter a saúde emocional durante o isolamento?

Em meio à pandemia, boas ações se multiplicam pelo Brasil

Para a sexóloga e psiquiatra doutora Carmita Abdo, apesar da falta de evidência científica, a atividade sexual deve ser restrita. "Não há evidências científicas suficientes para recomendações sobre a vida sexual durante essa pandemia. Entretanto, considerando os critérios para redução da curva de infectados (isolamento social, afastamento de até 2 metros entre as pessoas, higiene respiratória e das mãos etc) e - considerando a possibilidade de contaminação em período de incubação, a sobrevida do vírus por horas em diferentes superfícies, a existência de grupos de maior risco - recomendam-se restrições à atividade sexual", destacou.

Inclusive, a prefeitura de Nova York, nos EUA, lançou um manual de sexo seguro durante a pandemia ( clique e leia - em inglês). "Você é seu parceiro sexual mais seguro. A masturbação não espalhará o Covid-19, especialmente se você lavar as mãos (e brinquedos sexuais) com água e sabão por pelo menos 20 segundos, antes e depois do sexo. O próximo parceiro mais seguro é alguém com quem você mora. Você deve evitar contato próximo - incluindo sexo - com alguém fora do seu ambiente domiciliar" são algumas das recomendações do manual da prefeitura de Nova York. Para quem conhece os parceiros sexuais online ou é profissional do sexo, a cartilha recomenda evitar os encontros reais e adotar encontros via vídeos e salas de bate-papo.

Como o vírus está presente na saliva e no muco, beijos também devem ser evitados.  "Como a boca também é um sítio do COVID-19, o vírus pode ser transmitido pelo beijo. É preciso lembrar que nesse momento a prioridade é adotar medidas de prevenção", explicou a sexóloga, membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida, que é também coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP.

É preciso evitar qualquer contato íntimo, se um dos parceiros estiver com suspeita ou tiver sido diagnosticado com a Covid-19. "Atividade sexual que envolva contato físico íntimo, se um dos parceiros foi exposto ou está infectado, precisa ser suspensa por 14 dias, pelo menos", orientou a sexóloga. A cartilha da prefeitura de Nova York orienta ainda que se uma das pessoas do casal tiver uma condição médica que possa resultar em uma forma mais grave da Covid-19, o casal não deve ter relações sexuais para diminuir o risco de contaminação.  Entre as pessoas com risco maior de ter a forma mais grave do novo coronavírus estão pacientes de doenças pulmonares, cardíacas, diabetes, câncer ou um sistema imunológico enfraquecido (por exemplo, ter HIV não suprimido e um baixo CD4 contagem).

Em tempos de Covid-19, a imaginação e a masturbação são as principais armas na hora do sexo. "Há várias formas de contemplar a sexualidade, sem o contato direto. Além do sexo virtual, o que mais você proporia? Asas à imaginação! Quanto ao autoerotismo pode ser mantido, pois não contraria as restrições sexuais. Sem esquecer que a prioridade é adotar as medidas de prevenção contra o coronavírus", concluiu a sexóloga Dra. Carmita Abdo.