ARTIGO - Câncer de pênis: vai achando que é brincadeira

ARTIGO - Câncer de pênis: vai achando que é brincadeira

*Por Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida

Muitas pessoas ainda se surpreendem que, em pleno 2020, foi preciso lançar uma ação nas mídias sociais para lembrar o homem que ter hábitos de higiene são fundamentais para a saúde. Porém, a experiência de mais de 10 anos do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) em atuar com a causa da saúde do homem e conviver com uma realidade que mais parece ficção, de que cerca de 1.600 amputações de pênis ocorrem anualmente no Brasil, por causa do câncer no órgão, nos levaram a lançar no primeiro dia de 2020 a ação "Lave o Dito Cujo".

O projeto, que faz parte da campanha Novembro Azul Oficial idealizada pelo LAL, é um calendário ilustrado com nomes populares do órgão masculino, publicado no perfil do Instagram @laveoditocujo, para lembrar a população masculina - e também trazer o reforço das mulheres - sobre a importância da higiene íntima. O tema, que já gerou polêmica e preconceito, agora é sinônimo de engajamento nacional, pois optamos por uma linguagem lúdica e bem-humorada para falar sobre ele, um assunto dos mais sérios quando se trata do impacto que traz na vida do homem.

O projeto @laveoditocujo nasceu da parceria com os jovens e talentosos profissionais de criação:  Leonardo Telles, Guilherme Serato, Marcelo Marui e Saulo Vinheiro. Inconformados com o cenário do câncer de pênis no Brasil, idealizaram essa ação para dar voz ao trabalho que o LAL faz para conscientizar a população sobre o tema. As ilustrações e as mensagens diárias têm impactado os milhares de seguidores sobre a importância da limpeza diária do órgão sexual masculino, a melhor prevenção contra o câncer de pênis, pois a falta de higiene é uma das principais causas da doença, que representa 2% de todos os tumores que afetam os homens brasileiros, sendo mais frequente no Norte e Nordeste do país.

O diagnóstico precoce é importante para que a doença não evolua, o que pode levar à amputação parcial ou total da genitália masculina. Segundo nosso Comitê Científico, 1.600 brasileiros amputam o membro por ano. Os números desse tumor não assustam se compararmos com os de câncer de próstata, por exemplo, com mais de 68 mil casos por ano e 15 mil mortes, mas é fundamental chamar a atenção para o câncer peniano porque ele pode ser evitado e prevenido. Por isso, o LAL já trata do tema há anos e não mede esforços para erradicar a doença no país.

As reações ao @Lave o Dito Cujo são as mais distintas, mas o apoio é unânime. Muitos seguidores que acompanham o perfil ainda se mostram surpresos diante dos dados do câncer de pênis no país e de que a má higiene possa causar a amputação do órgão. Mas precisamos lembrar que vivemos no Brasil diferentes realidades e nem todos têm acesso a saneamento básico, água encanada e serviços de saúde. O câncer peniano tende a afetar os homens mais pobres, com menos acesso à informação e noventa por cento dos casos são oriundos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além da limpeza diária do pênis, a vacinação contra o HPV e a cirurgia de fimose são medidas importantes para evitar a doença. Atualmente, a vacina contra o HPV está disponível na rede pública para os meninos entre 11 e 14 anos, mas a cobertura vacinal está abaixo do esperado. Segundo dados do Ministério da Saúde, somente um em cada cinco adolescentes que já deveriam estar protegidos contra o vírus tomaram as duas doses necessárias. Nesse sentido, é muito importante combater as notícias falsas que envolvem a vacinação e imunizar também as meninas de 9 a 14 anos, medida importante para prevenir também o câncer de colo de útero, outro tumor possível de ser erradicado e que está na pauta diária do LAL.

No entanto, o homem brasileiro ainda resiste a ir ao médico e a procurar os serviços de saúde. Segundo a pesquisa "Um Novo Olhar para a Saúde do Homem", realizada em 2019 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) em parceria com a Revista Saúde, da Editora Abril, com 2.405 brasileiros, cerca de 37% dos entrevistados, com até 39 anos, e 20%, com 40 ou mais, admitem irem ao médico apenas quando se sentem mal. Esses números sobem, respectivamente, para 47% e 28% para aqueles que dependem do SUS. A demora para procurar atendimento faz com que muitos deles já cheguem ao sistema de saúde, seja privado ou público, com quadros avançados de doenças, que poderiam ser curadas se diagnosticadas precocemente.

Temos como uma de nossas principais campanhas o Novembro Azul, movimento criado pelo LAL em 2011, que busca conscientizar o brasileiro da importância de cuidar de sua saúde "de novembro a novembro azul". E a nossa campanha não se restringe a abordar o câncer de próstata, mas sim dialogar com o homem sobre a integralidade de sua saúde. Além disso, o Instituto Lado a Lado pela Vida é a única instituição brasileira (se não mundial) a trabalhar com as duas principais causas morte do mundo, o câncer e as doenças cardiovasculares.

Quem nos conhece sabe que o papel do LAL é tratar de temas que são negligenciados (como o câncer de pênis), efetivamente trabalhar com prevenção e buscar o engajamento de todos os atores da sociedade, sejam do setor de saúde ou não, para mudar a realidade no Brasil, no que tange à saúde da população. Agora que se tornou um fenômeno das mídias sociais, o "Lave o Dito Cujo" precisa expandir seu eco e atingir a população que sofre com a doença, e que talvez não seja usuário das redes sociais.

Faço aqui, pessoalmente, um convite a todos os que lerem esse artigo: vamos ampliar o alcance do projeto e realizar ações presenciais junto à população mais vulnerável a doença? Lado a Lado podemos erradicar o câncer de pênis no Brasil.