ARTIGO: Ação individual é importante para influenciar futuro do câncer

ARTIGO: Ação individual é importante para influenciar futuro do câncer

*Por Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida


O Brasil deve ter cerca de 625 mil novos casos de câncer por ano, segundo as estimativas mais recentes publicadas pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) no Dia Mundial do Câncer (04.02). A data foi instituída em 2008 pela União Internacional Contra o Câncer (UICC), para aumentar a conscientização e estimular a prevenção da doença. A cada ano 9,6 milhões de pessoas morrem em decorrência do câncer no mundo todo. Dessas, 4 milhões têm entre 30 e 69 anos.

O Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) atua para aumentar a conscientização e o diagnóstico precoce do câncer desde sua fundação em 2008. De início, nosso foco foi o câncer de próstata e a saúde do homem de maneira integral, mas logo começamos a trabalhar outros tumores e doenças crônicas. Atuando fortemente junto aos tomadores de decisões nos âmbitos federal, estadual e municipal, nosso trabalho de advocacy busca uma linha de cuidados para a oncologia no Brasil, cujo objetivo principal é beneficiar os pacientes para que tenham disponíveis os melhores medicamentos e terapias, tanto na rede pública quanto na rede privada do sistema de saúde.

Até o próximo ano o tema da campanha da UICC é #IAmAndIWill (#EuSoueEuVou), cujo intuito é aumentar a exposição e o engajamento social em torno da doença. Aqui, no Instituto LAL, concordamos com a UICC sobre a importância da ação individual para influenciar o futuro do câncer e reduzir o impacto dele na vida de cada um.

A publicação Estimativa de Incidência de Câncer no Brasil, do INCA, mostra que o câncer de pele não melanoma continuará sendo o mais incidente (177 mil novos casos por ano). Em seguida, temos o câncer de mama e o de próstata, com 66 mil casos cada; cólon e reto, com 41 mil casos; traqueia, brônquio e pulmão, com 30 mil; e, estômago, com 21 mil.

Sabemos que um a cada três casos de câncer poderia ser evitado pela redução ou eliminação de fatores de risco. Aqui destaco dois tumores que temos como prevenir e diminuir os números de casos - e vamos trabalhar com afinco em 2020 para isso: o de colo de útero e o de pênis. Ambos têm a vacina contra HPV como uma forma de prevenção. No caso da neoplasia de colo de útero, Ruanda e outros países já mostraram que a vacina é eficaz para reduzir a incidência da doença.

Agora em janeiro de 2020, nos unimos ao Movimento Brasil Sem Câncer do Colo do Útero para termos uma geração de brasileiras livre desse tumor. Também lançamos a ação Lave o Dito Cujo, dentro da campanha Novembro Azul, para impactarmos os homens sobre o câncer de pênis e conseguirmos erradicar a doença no país. Lavar o pênis diariamente é a melhor forma de prevenir o câncer no órgão. A vacina contra o HPV é eficaz para essas duas neoplasias, como coloquei anteriormente, mas no momento o Brasil vem falhando em imunizar a população alvo das campanhas (meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos).

Precisamos trabalhar junto com os governos, o ministério da saúde e as secretarias de saúde (e até mesmo outras que possam ser importantes) para aumentarmos a cobertura vacinal contra o HPV. Compartilhar informação sobre a eficácia da vacina para combater esses dois tipos de câncer e combater as informações falsas sobre ela são medidas que precisam fazer parte do trabalho de todos os interessados em mudar a saúde no Brasil. O Instituto LAL mais uma vez mostra estar empenhado em fazer a diferença. Lado a Lado somos mais fortes.